Conheça Julianny: empresária, mãe e instrutora de esqui!

O Planejo Viajar está começando uma série de entrevistas com viajantes. Pessoas que romperam com a rotina e resolveram fazer viagens memoráveis. Esta série vai dedicada a quem está precisando de um empurrãozinho para cair na estrada e, quem sabe, também trabalhar viajando! #trabalharviajando

Julianny Moraes, a única mulher na primeira turma de instrutores brasileiros de ski e snowboard, nos conta como começou a esquiar e porque quis se tornar instrutora de esqui.

Nos conhecemos em Bariloche, em 2014, quando ela e parte da turma voltavam de Esquel, na Patagônia Argentina, depois de concluírem o primeiro curso organizado pela ABISS. Única mulher da turma, viajava com o marido, Ricardo, enquanto cuidava à distância dos negócios que tem em Salvador.

Conheça Julianny, instrutora de esqui

Quando conversei com a Julianny, integrante da diretoria da ABISS, ela organizava uma turma do curso de esqui e esperava sua primeira filha. Simpática e sorridente, ela aceitou dividir sua história com os leitores do Planejo Viajar.

 

Foto: Julianny Moraes

Julianny Moraes e o marido Ricardo: baianos apaixonados pela neve (Foto: Julianny Moraes)

Planejo Viajar – Fale um pouco de você

Julianny – Sou de São Paulo, fiz faculdade de gestão ambiental, mas não terminei. Há 11 anos mudei para Salvador, hoje sou empresária do comércio. Tenho duas lojas de artigos femininos.

PV – Você sempre gostou de esquiar??

Conheci a neve em Salvador (nesse calor, praia, sol) pelo canal Off. Sempre fui ligada em esporte, ando de skate, faço wakeboard, já tentei surfar mil vezes e nunca consegui, já saltei de paraquedas. Amamos esporte!

PV –O salto de paraquedas foi depois do esqui???

J – Foi entre só ter andado de snowboard e aprender a esquiar. Eu nunca me liguei muito em televisão, até que descobri o Off ( só de esportes) e em casa a TV só vivia ligada nesse canal. Aí com as imagens de neve e principalmente aqui na América do Sul, vi que era muito possível fazer uma viagem para o Chile gastando o equivalente ao que o pessoal gasta para vir para o Nordeste (por exemplo).

Julianny pulando de paraquedas. Foto: @juliannycm

Julianny pulando de paraquedas. Foto: @juliannycm

 

PV – Então você viajou para o Chile para praticar pela primeira vez. Quando foi isso?

J –Fiz duas temporadas no Chile uma em 2012 (Santiago) e a outra em 2013 (Santiago, Pucón). Somente andava de snowboard e, quando voltei dessas duas temporadas, já sabia que o que eu mais queria era poder trabalhar com o que eu gosto! Me vi na Bahia com uma temperatura de 40 graus torcendo pra chegar logo o inverno... Aí falei: "É... eu amo a neve! Tenho que trabalhar com isso!"

foto: Julianny Moraes (facebook)

foto: Julianny Moraes (facebook)

PV – E como você ficou sabendo do curso da ABISS?

J – Comecei a pesquisar muito sobre estações de esqui, na América do Sul e pelo mundo todo, para programar um intercâmbio em lugar próximo a alguma delas. Tudo isso eu e o Ricardo, meu marido, juntos! Graças a Deus temos a mesma paixão pelos esportes e por viagens. Como não nos enquadramos no grupo "turista padrão" a gente sempre procura alternativas para otimizar os custos.

Julianny e Ricardo

Julianny e Ricardo

Numa dessas pesquisas achei a página da ABISS e vi que era possível fazer um curso de instrutores aqui do lado e praticamente de graça perto do que é cobrado em outras instituições do mundo! O melhor de tudo é que seria a primeira turma do Brasil e isso me deixou muito empolgada, por saber que poderia fazer parte do início de tudo. Poder trabalhar com o que eu gosto! Viajando o mundo!

A ABISS é o primeiro passo para que, no futuro, tenhamos instrutores que falam português pelo mundo todo! Escolhi fazer o curso para ser instrutora de esqui porque a empregabilidade nessa modalidade é bem maior que no snowboard! Mas amo os dois.

 

PV – E como você conciliou a vida em Salvador com a viagem para fazer o curso?

J – Fui fazer o curso em meio a abertura da nossa loja em um shopping aqui. Passamos um mês em Esquel, todo dia indo para montanha! E a gente tocou a loja que já existia e cuidamos da reforma da outra tudo por e-mail e whatsapp, durante o mês todo. Foi um sufoco mas deu tudo certo no final! Nos formamos instrutores e abrimos a loja um mês após voltarmos. Quase ficamos loucos, mas valeu cada minuto gasto segurando o sono pra mandar e-mails, etc. Porque quando você está fazendo o que gosta você encontra forças e dá tudo certo!

PV – Exato! Essa história é muito bacana! Quando se quer, se encontra uma maneira de fazer tudo acontecer!

J – Com certeza! Foi muito corrido! Os professores eram muito exigentes! Saí do zero no esqui pra chegar em nível de instrutor em um mês!

Foto: ABISS

Foto: ABISS

PV – conta mais sobre a rotina do curso!

J –Hoje me sinto muito preparada para passar tudo isso pra frente! Ficávamos das 9h às 17h na montanha com o instrutor. Ele é muito fera, muito perfeccionista e exigiu muito da nossa postura e domínio do esqui. Então praticamente metade do curso foi voltado para elevar nosso nível no esporte.

Na outra metade aprendemos como passar todo esse conteúdo adiante. Como lidar com todas as dificuldades que poderíamos ter com nossos alunos. Aprendemos de tudo! Até Física!

Demos um milhão de aulas pra nós mesmos e sempre era muito divertido! Ao final do curso tivemos prova prática e teórica. Aprendemos a analisar os movimentos de todos da montanha. E tínhamos que identificar o que deveria ser trabalhado com cada esquiador, dependendo de seu perfil e habilidade.

Foi um curso sensacional e nosso instrutor veio com três vagas para oferecer para os que se formaram.

Instrutores aprendendo a montar uma aula para iniciantes Foto: ABISS

Instrutores aprendendo a montar uma aula para iniciantes Foto: ABISS

PV – Você já pegou algum contrato?

J –Fomos selecionados, mas por não ter o domínio do inglês e a temporada de inverno nos EUA já estar iniciando na época não deu pra gente. Um dos meninos foi selecionado também, chegou até a comprar a passagem e receber o visto 2b mas arrumou um emprego muito bom no Brasil.

PV – Então, dominar o inglês é algo bem importante para quem quer tentar esta carreira, né?

J – Para trabalhar nos EUA é essencial. Mesmo que você vá dar aulas em português (eles estavam bem interessados em instrutores que falam português). Eles costumavam dizer que era mais fácil formar um instrutor brasileiro do que ensinar um americano a falar português.

PV – Então é bem possível conseguir emprego depois do curso?

J – A procura de brasileiros pelo esporte tem crescido no mundo todo! A ABISS está abrindo as portas ainda. Esse ano fomos chamados pra dar aula lá em Esquel, onde nos formamos. Só que o inverno coincidiu com a minha gravidez. Temos um instrutor de snowboard confirmado pra trabalhar essa temporada em La Hoya, Esquel! Recebemos a confirmação ontem. Tinha vaga pra esqui também, mas não vai preencher pois eu estou grávida, o meu marido não vai poder ir pelo mesmo motivo e os outros dois que se formaram estão trabalhando.

 

PV – Você é da diretoria da ABISS, verdade?

J – Sim como a ABISS ainda está nascendo, formamos um corpo de diretores que fizeram o curso, para ajudar a associação a crescer. Flávio Melo é o nosso presidente. Estamos caminhando para fazer a ABISS ser reconhecida no mundo todo. E para isso o caminho é formar turmas e mais turmas todo ano, encaminhar esses instrutores para trabalhar onde já temos portas abertas. Somente com a demonstração do nosso nível e trabalho pelo mundo, vamos conseguir ganhar reconhecimento mundial. Flávio está mudando para o Canadá e com certeza abrirá muitas portas para os brasileiros lá também. Temos contatos com diretores de grandes resorts pelo mundo. E na verdade a ABISS surgiu por necessidade deles.

Credenciais Instrutores de Esqui e Snowboard da ABISS

Credenciais Instrutores de Esqui e Snowboard da ABISS

PV – A nova turma já começou?

J– Não, está prevista para agosto. Dependemos de um número mínimo de participantes, para poder custear a vinda do instrutor, sua hospedagem e ski pass. A gente quer muito que role, mas os próprios participantes terão que dividir os custos. Quanto mais pessoas, mais barato fica.

Você sabia que um curso de instrutor no exterior custa em média um carro zero? E aqui a gente tá fazendo por rateio de gastos mesmo porque precisamos de gente formada para sermos reconhecidos.

PV – Ser a única mulher no curso fez alguma diferença??

J – Tínhamos mais uma mulher, era a esposa do Flávio. Ela participou de muitas aulas, mas estava com as três filhas pequenas então ela acabou não se formando. Mas eu estava sempre no meio de 12 homens! Era muito bem cuidada pelos meninos. Sempre estavam preocupados comigo!

Acharam que não teria nada a ver um casal fazer o curso juntos, que a gente não iria ficar no clima de curso e sim de férias. Mas disseram que mudou tudo quando viram meu Facebook e viram que eu era meio "menino" igual eles. Depois me conheceram e viram que eu era mais doida que eles.

A gente formou uma turma tão legal! Todos nós demos muito bem! Temos um grupo no WhatsApp até hoje e sempre ativo! Viramos amigos pra vida toda. Descobrimos que quando os interesses são os mesmos a amizade flui que é uma beleza! A química rolou entre todos – somos uma família da neve agora.

Se eu não tivesse me formado, se o curso não tivesse dado certo (porque foi um risco né?) valeria a pena mesmo assim. Foi o mês mais incrível que já passei na vida, fazendo o que mais gosto. Conheci gente de cada canto do Brasil ( somos paulista, carioca, gaúchos, nós, que moramos em Salvador, e até um italiano "abrasileirado").

Primeira Turma de Instrutores de Ski e Snowboard da ABISS

Primeira Turma de Instrutores de Ski e Snowboard da ABISS

PV – Como você vai conciliar a bebê (como vai ser chamar?) com os contratos que você pretende pegar nas próximas temporadas?

J – Então a bebê vai se chamar Maya e vai com certeza acompanhar a gente pelas estações desde pequena já! Ano que vem já estamos programando para nossa primeira temporada com ela! É bem tranquilo porque nas estações tem sempre um suporte muito bom nas "escolinhas" que ficam no pé da montanha.

Se o Flávio conseguiu 3 filhas por um mês... Vamos tirar de letra com uma só.

Você deixa a criança brincando, fica na montanha, pega a criança pra almoçar, devolve e pega de volta no final da tarde. Isso igual nos shoppings que você deixa a criança brincando pra fazer compras.

 

PV – Que ótimo! Ela já vai crescer amando esquiar!

J – Ah com certeza! A nossa intenção é já dar aula na próxima temporada. Com ela junto com a gente!

 

PV – Ju, deixa um recado para quem pensa em fazer o mesmo que você.

J – Tudo é possível quando você realmente quer. Nossa família nos chamou de loucos por largar uma reforma na metade e ir "passear". Mas eu sabia que estaria fazendo parte de algo grande.Hoje temos tecnologia e com jeitinho a gente consegue resolver tudo por computador. Se tiver um sinal de wi-fi está tudo resolvido!

Você também quer ser instrutor de esqui ou snowboard?

O curso vai se realizar este ano, ainda dá tempo de se inscrever. Informações na página da ABISS no facebook.

"CURSO PARA FORMAÇÃO DE INSTRUTORES DE SKI NIVEL 1 - 2015

DATA: 17/08/2015 À 07/09/2015

LOCAL: LA HOYA - ESQUEL – PATAGONIA – ARGENTINA

O curso terá duração de 3 semanas, de 17/08/2015 a 05/09/2015, em La Hoya, cidade de Esquel, Patagônia Argentina, e contemplará aulas práticas e teóricas, abordando desde as técnicas básicas de ensino de Ski para iniciantes, passando pela didática do esporte, até a simulação de aulas para diferentes perfis de alunos e será ministrado em Inglês, por um profissional de grande prestígio na comunidade Europeia, assim como nos Estados Unidos e América do Sul, membro ativo e diretor da ESDM (EUROPEAN SNOWSPORT DESTINATION MANAGEMENT), com dez anos de experiência como treinador/examinador de instrutores de Snowsport na BASI (British Association of Snowsport Instructors).

Com uma metodologia de ensino abrangente, os instrutores certificados pela ABISS serão capazes de atender plenamente os diferentes mercados de ensino de esportes de neve, contando com uma base sólida não apenas na técnica e didática do esporte, mas também nas melhores práticas de atendimento a clientes de escolas de Ski e Snowboard.
Interessados que tenham disponibilidade para o período informado, favor entrar em contato por mensagem ou através do e-mail cursoabiss2015@gmail.com, para receber informações adicionais, preços e condições.

Faça parte da ABISS e descubra um mundo de oportunidades para trabalhar com o esporte que amamos!"

 

2 comentários

  1. Everton 26 Fevereiro, 2017 at 14:24 Responder

    Em Julho vou para Bariloche e depois Púcon.
    Sobre Julianny e as aulas de SKI/SNOW, como faço para contratar?
    Pode me informar alguma forma de contato?

    • Ana Beatriz 26 junho, 2017 at 20:33 Responder

      Oi Everton, a Julianny não estará em Bariloche nesta época, na verdade ela se formou instrutora lá, mas trabalha cada ano em uma estação diferente. La em Bariloche tem escolas de esqui, que você pode contratar na entrada na estação de esqui. Abração! Boa viagem!

Deixe uma resposta