Huacachina: o oásis da aventura

Eu não esperava conhecer um Oásis tão cedo na minha vida. Até porque eu não tinha nenhuma viagem marcada para o Deserto do Saara, que é onde ficam os oásis no nosso imaginário. O que eu não sabia é que o nosso vizinho Peru tem um belíssimo oásis, bem fácil de ser visitado.

A região ao sul de Lima é um deserto de areia, com dunas imensas. No litoral está Paracas, com praias desertas e as Ilhas Ballestas cheias de vida animal. No interior, está Nazca famosa pelos desenhos geométricos gigantes feitos no chão há milhares de anos, com precisão milimétrica. E bem próximo está Ica, e seu oásis, a Huacachina.

Huacachina

Huacachina

Huacachina é uma lagoa em meio às dunas, em que ao redor há vegetação característica e algumas casas, bem poucas. Eu acho que muito pouca gente mora lá. Parece que todas as casas são pousadas e restaurantes (sim, parece que todos acumulam as duas funções).

Mesmo sendo bem turístico, é um lugar muito tranquilo. Ou pelo menos era assim nos dias em que eu estava lá. Fiquei três dias e tive tempo de escrever bastante de frente para a paisagem.

 

O que fazer em Huacachina?

Surfe na areia

Surfe na areia

Praticamente todos que vão a Huacachina buscam o passeio de buggy com surfe na areia (sandboarding). Os passeios saem quase sempre no fim da tarde, às 16h, percorrem as redondezas da cidade fazendo manobras bruscam que arrancam gritos e risadas dos passageiros. Em seguida, o Buggy para em cima de uma duna bem alta e entrega uma tábua a cada um para que desça de barriga.

Passeio de Buggy no final da tarde

Passeio de Buggy no final da tarde

A verdade é que a altura da duna assusta. Mas quando você vê todos os demais encarando sem problemas, você aceita. A pranchinha atinge bastante velocidade, os níveis de adrenalina sobem muito. Divertido, você pensa. E seguem para mais uma voltina de Buggy.

O guia para em uma duna ainda maior. Mas você já sabe que consegue e encara com coragem. O que você não imagina é que dessa vez você vai descer muito mais rápido, e vai dar muito medo! Acho que você já conseguiram imaginar. E eu nem preciso descrever a sensação de ir para a terceira duna, maior que as duas anteriores, é claro! Só digo que teve gente que preferiu não descer a terceira.

Eu vi gente descendo em pé nas pranchinhas, pessoas que já tem experiencia com snowboarding, que tem uma prancha similar. A verdade é que as pranchas são muito simples para quem vai descer em pé. Eu vi equipamentos mais sofisticados nas agencias de passeios de Huacachina. Se quiser uma descida mais profissional, consulte os vendedores.

Nos dias seguintes eu subia a duna atrás do meu hostel para ver o por do sol lá de cima com a vista panorâmica do oásis. A subida é puxada, mas nada impossível. E a vista com certeza compensa.

Por do Sol no alto da duna

Por do Sol no alto da duna

Planejando sua viagem

 

Leve roupas velhas e confortáveis para o passeio nas dunas, você vai se sujar. Use meias, porque se você quiser reduzir um pouco a velocidade, pode arrastar os pés na areia. Sem meias, pode machucar os pés. Aconteceu comigo.

Reservar o hostel com antecedência não foi muito simples. Pelos sites de reserva de hospedagem havia poucas opções. Chegando lá eu encontrei vaga em seguida. A "vila" é muito pequena, e os hostels e pousadas estão um ao lado do outro. Há um hotel de três estrelas caso procure algo mais confortável.

Você também pode se hospedar em Ica - que está a cinco minutos de carro - e fazer o passeio à Huacachina. Eu optei ficar no oásis porque queria curtir o clima de descanso e magia de estar em meio ao deserto.

Por do Sol na Huacachina

Por do Sol na Huacachina

 

 

 

1 comentário

Deixe uma resposta