Delícias mineiras nas feiras gastronômicas de BH

Delícias mineiras podem ser apreciadas nas feiras gastronômicas de Belo Horizonte. A Feira Aproxima, que acontece uma vez por mês em Beagá é um programa bem legal para quem visita a cidade. E também para seus moradores. Além de saborear alimentos que vão desde temperinhos até a paella mineira, a gente tem contato com quem faz: os produtores de várias regiões de Minas Gerais. A próxima Feira Aproxima será no dia 30 de janeiro de 2016, ainda sem local definido (não existe um ponto fixo). E, neste fim de semana, acontecem mais dois eventos que vão mexer com o paladar: a Experimente, feira de cervejas artesanais e gastronomia, no bairro Jardim Canadá, e a Feira Gastronômica do Mercado Central.

 

Delícias mineiras na Feira Aproxima

Eu visitei a Feira Aproxima uma vez no Mercado Distrital do Cruzeiro e domingo passado (6/12), na Savassi. É bem gostoso percorrer as barracas, assuntando os produtos: “O que é isso?”, “Mas é feito com quê?”. Mineiro adora perguntar e eu não fujo à regra. Cada produtor respondeu pacientemente às minhas perguntas.

Foi assim que bati um papão com o chef Gabriel Trillo, sobre a paella mineira, uma adaptação da paella espanhola. Até aquele momento, umas três da tarde, eles (o Gabriel e o chef Sérgio Figueiredo) tinham feito quatro paellas, e ainda havia fila de espera.

Ansiosa por experimentar a "tal" paella mineira, a campinense Rebeca Andrietta estava a postos, com o copo de cerveja e tíquete numa mão e na outra o celular. Ela veio a Belo Horizonte pela primeira vez e adorou a feira. Combinei de passar depois para saber se ela tinha gostado da paella mineira, mas não a encontrei mais. Cadê você, Rebeca? Conta pra gente, nos comentários, o que achou da paella mineira. Assista ao video que fiz com o Gabriel Trillo

 

Mosaico de sabores

Eduardo Maya

No dia em que eu fui conferir a feira, havia 45 pontos de venda - 35 barracas e o restante food trucks, kombi e até bicicleta. "Mostramos Minas Gerais, toda a gastronomia mineira, desde a produção até a mesa, da roça à mesa. Tem produtores hoje aqui do cerrado, do Sul de Minas, Zona da Mata, do Jardim Canadá, região de Nova Lima considerada a Bélgica Brasileira, por sua produção de cervejas artesanais, além de chefs", explicou o idealizador da Feira Aproxima, o gastrônomo Eduardo Maya.  "A cozinha mineira, no cenário da gastronomia nacional, é a mais importante, isso não fui eu que falei não, foi o Alex Atala (um dos mais famosos chefs de cozinha do Brasil) ", destacou, enquanto saboreava o arroz de forno do chef Jaime Solaris.

frutasvermelhasEduardo (foto à esquerda) foi criador do Comida di Buteco, maior evento gastronômico de Belo Horizonte, é gestor da cozinha-escola Nestlé do Mercado Central e proprietário de uma escola-cozinha na Savassi.

Ele conta que, na Aproxima, que tem apoio do Senar e do Origem Minas, alguns produtores já chegam com encomendas, caso do Sítio Juranda, de Campestre, região do Sul de Minas. Eles produzem amoras e framboesas, que levam congeladas à feira. Muito procurado por donos de restaurantes, casas de sucos, gente que já chega só para pegar a encomenda. Para o público, eles estavam vendendo as frutas com leite condensado. Hum, delícia!

 Na Bélgica Brasileira

Cervejeiros

Bastante concorrida a barraca da Cervejaria Taberna do Vale. A fábrica-escola e o pub ficam na Avenida Jardim Canadá e o mestre cervejeiro é o Felipe Viegas. A  Taberna do Vale produz 22 tipos de rótulos – oito fixos ( nunca saem de linha), e os outros de acordo com o demanda, me explicou Ricardo Borges, sócio da cervejaria.

Metade trigo, metade cerveja, a CarolWeiss, de sabor levemente adocicado e pouco amargor, foi a primeira a ser produzida e ainda é mais vendida. Só no Jardim Canadá, bairro de Nova Lima, há nove cervejarias. Sempre no segundo sábado do mês, a Feira Experimenta reúne 24 produtores de cervejaria artesanal e o público. Fica esperto, que a próxima é neste sábado, dia 12/12/2015.

Artesanato em taboa

Além das comidas, chamou atenção a barraca de Maria de Fátima Almeida Aranda, com artesanato em taboa, planta retirada de lagoas numa poda especial e que é posta a secar. O trançado com as fibras de coloração amarronzada dá origem a peças utilitárias e de decoração, como caixas, cachepôs e enfeites. O trabalho com as taboas é bem mais profundo, pois foi um jeito que Maria de Fátima encontrou para resgatar a auto-estima de mulheres que lidavam com carvão e capina da região rural de Carvalho, em Rio Piracicaba.

Além disso, foi feito o resgate da cultura regional, com o trançado indígena da esteira, antigamente usada como tarimba. Já viu a expressão de que alguém é "tarimbado"? Pois vem daí. A tarimba era onde os primeiros moradores de Carvalho dormiam. Essa cama rústica, com uma esteira por cima, foi muito usada nos acampamentos de guerra do Brasil imperial. Interessados nos produtos podem ligar para (31) 99907-7578 ou e-mail artecomtaboa@yahoo.com.br. Assista à entrevista da Maria de Fátima:

 

Onde encontrar

E aí, ficou interessado em conhecer a Feira Aproxima? Veja onde será a próxima, no dia 30 de janeiro neste site. Nele, você encontra a lista dos produtores que já participaram do evento, que acontece desde juho de 2014. E confere o que cada região tem a oferecer ao visitante no mapa de terroirs. A Feira Gastronômica do Mercado Central é nesta sexta-feira, dia 11/12, no mercado, das 19h à 1h. E a Experimente, na Praça dos Quatro Elementos, Jardim Canadá, começa às 11h de sábado. Veja mais detalhes aqui.

 

 

Deixe uma resposta