Como conhecer pessoas em hostels (e fazer amigos, por que não?)

As pessoas que escolhem os hostels como meio de hospedagem tem algumas coisas em comum. Todas estão buscando a alternativa de hospedagem mais econômica, e procuram companheiros de viagem, conhecer gente interessante.

No último ano eu tenho vivido em hostels. Em alguns por apenas poucos dias, em outros por várias semanas. Em todos eu conheci as pessoas mais interessantes de toda a viagem.

Mas para ser sincera, tenho que confessar que não foi assim desde o começo. Minhas primeiras vezes em hostels foram meio solitárias, e muitas vezes se ninguém vinha falar comigo eu não falava com ninguém. Ou conversava, mas nunca dava um passo a frente para uma interação mais prolongada.

Lendo em meu diário relatos dos primeiros dias da viagem, quase um ano depois eu posso dizer que aprendi algumas "técnicas" de interação.

"Qual é o seu nome?" é o novo "Where are you from?"

Eu achava que tinha descoberto o segredo da interação. Era só perguntar "Where are you from?" e dali desenrolaria toda a conversa. Mas eu percebi que as pessoas que me perguntavam qual é o meu nome eram muito mais simpáticas, e me despertavam muito mais interesse.

Lógico que ainda hoje alguns diálogos começam com outras perguntas. Mas na dúvida, ao entrar no quarto, ou ao sentar nas áreas comuns, ofereça um aperto de mão, diga o seu nome e "Muito Prazer".

Café da manhã

Uma dica genial para fazer amigos ou encontrar companhia para aquele passeio que você não quer fazer sozinho é puxar papo no café da manhã. Muita gente vai comer sem ter os planos para o dia muito definidos, e pode topar fazer planos juntos.

Ou outros já formaram um grupo, quem sabe você só precisa se juntar a eles. Vale a pena também ser flexível, porque quem sabe eles vão fazer algo diferente hoje, mas daí surge companhia para o seu plano nos próximos dias.

Diga sim!

Essa tem a ver com a anterior. Às vezes você está tímido e inseguro para começar a interação, mas chega alguém com um convite para algo que você nunca ouviu falar, ou a princípio não tinha pensado em visitar.

É o momento de ser flexível novamente e dizer sim, afinal "porque não?". Lógico que é preciso tomar cuidado com lugares perigosos, use o bom senso. A idéia é abrir a cabeça e se permitir conhecer coisas diferentes.

Companhia para cozinhar

Essa já é geralmente para os casos em que você já teve alguma interação inicial, e pode resultar em uma longa e interessante conversa com seus novos amigos. Vocês podem ir juntos ao mercado, trocar dicas sobre como se prepara o alimento em seus respectivos países, e dividir uma garrafa de vinho (ou várias) enquanto contam histórias de viagem.

Foque nos solitários

Quem viaja em grupo está menos aberto a fazer amigos. Isso não quer dizer que seja impossível, mas como eles já tem uns aos outros, nem sempre vão acolher mais alguém para o grupo.

Já quem está viajando sozinho está exatamente na mesma situação que você. Estão em busca de experiências e de conhecer pessoas com histórias interessantes.

Mas lógico, isso é apenas uma probabilidade. Claro que é possível fazer amigos que estava viajando em grupo, que podem até se impressionar com a sua "coragem" de viajar sozinho.

Tenha paciência

E por fim, tenha paciência. Eu percebi também que por mais que estejamos abertos a socializar, e tomemos a iniciativa de fazer amigos, às vezes não há sintonia com nenhuma das pessoas que estão ali naquele dia.

O melhor de um hostel é que sempre há muita rotatividade. Se hoje você não conheceu ninguém ou não arrumou nenhuma companhia para o passeio, saia sozinho e quem sabe as pessoas que vão chegar amanha (ou hoje a noite) estão mais abertas a fazer amizade?

 

Ah, e por fim, seja respeitoso com o espaço comum, seja educado e informal. Tente não ser um dos tipos que todos odeiam nos hostels.

Tem mais alguma dica de interação em hostels? Conta para a gente nos comentários.

*Esse post vai dedicado ao grupo de amigos que fiz no hostel no Uruguai. Nos conhecemos em Punta del Este, e ficamos tão amigos que fomos todos juntos para Montevidéu. Seguimos em contato até hoje por um grupo no whatsapp e já aconteceram vários encontros entre os membros depois da viagem. Além disso, fiquei devendo um post sobre eles, eu tinha prometido! Abraço Uruguashos!

 

Leia mais sobre Hostels

8 tipos mais odiados nos hostels

Trabalho Voluntário: uma maneira de viajar (quase) grátis

 

4 comentários

Deixe uma resposta