"Junho é o mês mais bonito no Maranhão"

Quem está dizendo nem sou eu, e sim Aloízio de Azevedo (aquele que escreveu O Cortiço), no clássico O Mulato, que trata do racismo no Maranhão no final do século XIX.

Acabei de voltar do Maranhão, e de uns dias no Ceará, quando passei as férias na minha versão pessoal da Rota das Emoções (Lençóis Maranhenses, Delta do Parnaíba e Jericoacoara). Este livro de um autor Maranhense e cuja narrativa se dá em São Luis e parte do interior do estado foi a minha escolha para complementar meu aprendizado sobre o cotidiano e a cultura locais.

Sim, junho é um mês muito lindo no Maranhão, e também tem sido um mês muito importante para a história recente do Brasil quando milhões de brasileiros negaram a lógica de alienação com futebol e lotaram as ruas de várias cidades brasileiras lutando por mais investimento nos serviços públicos, contra a corrupção, e contra os exageros de gastos com a construção de estádios.

Quem visita o Maranhão em Junho vai conhecer as lagoas dos Lençóis Maranhenses bem cheias, por ser o fim do período chuvoso (a água das lagoas é água de chuva); também vai presenciar as festividades do Bumba-Meu-Boi, uma das manifestações folclóricas mais tradicionais e coloridas do país; e vai ver os ventos fortes que varrem o céu e deixam o dia lindo!

Deixo por fim, a passagem quase poética do livro sobre "O mês mais bonito no Maranhão" como forma de introduzir o relato da minha viagem, que contou com os ventos fortes, o Bumba-Meu-Boi, o restinho das chuvas e os lindos Pores-do-sol.

(Capítulo 7)
"Junho chegou, com as suas manhãs muito claras e muito brasileiras. É o mês mais bonito do Maranhão. Aparecem os primeiros ventos gerais, doidamente, que nem um bando solto de demônios travessos e brincalhões, que vão em troca percorrer a cidade, assoviando a quem passa, atirando ao ar o chapéu dos transeuntes, virando-lhes do avesso os guarda-sóis abertos, levantando as saias das mulheres e mostrando-lhes brejeiramente as pernas.

Manhãs alegres! O céu varre-se nesse dia como para uma festa, fica limpo, todo azul, sem uma nuvem; a natureza prepara-se, enfeita-se; as arvores penteiam-se, os ventos gerais catam-lhes as folhas secas e sacodem-lhes a frondosa cabeleira verdejante; asseiam-se as estradas, escova-se a grama dos prados e das campinas, bate-se a água, que fica mais clara e fresca. E o bando turbulento não pára nunca e, sempre remoinhando, zumbindo, cantando lá vai por diante, dando piparotes em tudo que encontra, acordando as pequeninas plantas, rasteiras e preguiçosas, não deixando dormir uma só flor, enxotando dos ninhos toda a chilradora república das asas. E as borboletas, em cardumes multicolores, soltam-se por aqui e por ali, doidejando; e nuvens de abelhas revoam, peralteando, gazeando o trabalho’ e as lavadeiras, que vadias! brincam ao sol, sobre os lagos, dançando ao som de uma orquestrade cigarras.

A gente bem conformada, nessas manhãs, acorda lépida, depois de um sono bom, completo, bebido de uma vez, como um copo de água fresca. E não resiste ao convite do bando endemoninhado que lhe salta pela janela e lhe invade o quarto, atirando ao chão os papéis da mesa, arrancando os quadros da parede e desfraldando as cortinas, que tremulam no ar em flutuações alegres de bandeira; não resiste; veste-se rindo,cantarolando, e vai para a rua, para o campo, mete uma flor na lapela do fraque, agita a bengala, fala muito, ri, tem vontade de correr e almoça nesse dia com um apetite selvagem".

Nos próximos dias, relatos, informações e dicas sobre o Maranhão.

******

Atualização: Veja mais sobre minha viagem ao Maranhão

Como é o passeio pelos Lençóis Maranhenses?

Como é o passeio pelo Rio Preguiças?

A parte Maranhense do Delta do Parnaíba

Dica sobre o Maranhão publicada pelo G1

Deixe uma resposta